O Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional – COFFITO, como medida de enfrentamento da crise provocada pela pandemia de COVID-19, autorizou, temporariamente, por meio da Resolução 516 de 20 de março de 2020, o atendimento não presencial nas modalidades, teleconsulta, teleconsultoria e telemonitoramento.

A ABRASFID reconhece o avanço na decisão do COFFITO, considerando os avanços ocorridos nesse tipo de tecnologia nos últimos anos. É nesse sentido que essa modalidade de assistência à saúde também está sendo utilizada emergencialmente pela medicina, em razão desse momento.

No entanto, é importante chamar a atenção para o atual cenário no qual estamos envolvidos no momento, com possibilidade real, e anunciada pelas autoridades sanitárias, de colapso do sistema de saúde hospitalar previsto para o mês de Abril/2020.

Assim, agora, mais do que nunca, se faz necessária a atuação com extrema segurança na Fisioterapia Domiciliar, a fim de que se evitem internações hospitalares.

É por isso que a ABRASFID, considerando a NOTA TÉCNICA Nº 9/2020-CGAHD/DAHU/SAES/MS, do Programa Melhor em Casa/SUS, que apresenta recomendações da Coordenação-Geral de Atenção Hospitalar e Domiciliar em relação à atuação dos SERVIÇOS DE ATENÇÃO DOMICILIAR (SAD) – PROGRAMA MELHOR EM CASA na pandemia do Coronavírus (COVID-19), recomenda, exclusivamente, o ATENDIMENTO PRESENCIAL, em casos de média e/ou alta complexidade, durante esse período de pandemia, além da reformulação dos planos de atendimento domiciliar (PAD), reduzindo-se, sempre que possível, a frequência desses atendimentos.

Por fim, a ABRASFID defende que a Atenção Domiciliar e a Fisioterapia Domiciliar, em razão da especificidade dos critérios de elegibilidade do setor, sejam ouvidas, pelas autoridades e pelos comitês de crise instalados por todo país, para elaboração de estratégias de combate a COVID-19.

Diretoria ABRASFID

Comitê ABRASFID COVID-19

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *